Director: João Carlos Vieira
Quinta, 02 Julho 2020 - Periocidade diária
2020-06-24 10:10
Frederico Morais e Teresa Bonvalot vitoriosos no arranque do nacional

Os surfistas de Linha de Cascais Frederico Morais e Teresa Bonvalot conquistaram o Allianz Figueira Pro, a prova que marcou o arranque da Liga MEO, o campeonato nacional de Surf 2020.

Nesta que é a principal competição de Surf em Portugal e que define os títulos máximos de campeões nacionais, Frederico Morais e Teresa Bonvalot ao serem coroados campeões na Figuera, asseguraram automaticamente a liderança do ranking da corrida ao título nacional e também da Allianz Triple Crown. Frederico e Teresa foram assim os primeiros vencedores em todo o mundo de uma prova de surf depois da paragem causada pela pandemia do Covid-19.

Esta foi a segunda vez que Frederico alcançou o lugar mais alto do pódio na Figueira da Foz, depois de o já ter feito em 2012. A última vez que Kikas tinha vencido na Liga MEO Surf havia sido em 2016, em Sintra – a partir de 2017 juntou-se à elite mundial e deixou de ser presença regular na Liga. São já 13 vitórias em etapas para o currículo. Foi também um regresso em beleza à competição do único surfista português que compete no circuito mundial da WSL.

“É ótimo estar de voltar e competir. Voltar para casa soube muito bem. Foi perfeito para dar-me ritmo e voltar a dar outra intensidade ao meu surf. Partilhar a final com o Filipe Jervis foi especial, uma vez que somos muito amigos e passámos muito tempo juntos durante o campeonato. Regressar à Figueira e vencer uma etapa que contou com imensos jovens surfistas cheios de talento sabe muito bem. A minha ida à Ericeira depende da decisão da WSL sobre o regresso ou não do WCT, mas em princípio lá estarei”, declarou Frederico Morais. 

Já Teresa Bonvalot, que deu sequência à vitória com que fechou a temporada de 2019, em Carcavelos, conquistou a 17.ª etapa da carreira na Liga MEO Surf, isto com apenas 20 anos. Foi o terceiro triunfo alcançado pela jovem de Cascais na Figueira da Foz, depois de já o ter feito em 2017 e 2018. 

Para Teresa Bonvalot, “Foi um dia muito longo, mas estou super feliz. Foi a melhor maneira de regressar à competição. Não estava a ouvir os scores, mas vi que a Carolina tinha apanhar boas ondas. Felizmente, na última onda consegui encaixar bem as primeiras manobras. A Figueira da Foz nunca me deixa desiludida. Foi aqui que fiz o único 10 da minha carreira. Saio daqui com uma sensação incrível”, sublinhou a surfista da Linha de Cascais.

Durante o período da manhã foi a prova feminina a primeira a entrar na água, com a praia da Murtinheira a mostrar-se um palco de grande potencial para receber os melhores surfistas nacionais. Foram realizadas três rondas femininas e duas masculinas em ondas com tamanho e muita qualidade, que acabaram por proporcionar um espetáculo digno de nível internacional.

Frederico Morais, nos homens, foi um dos grandes destaques durante este período, aproveitando da melhor forma este regresso à competição. Nas duas vezes que entrou em ação conseguiu dois triunfos sólidos, sempre com scores acima dos 15 pontos. Na segunda vez, já nos quartos-de-final man-on-man teve se impor o seu nível para eliminar o jovem Guilherme Ribeiro, que já havia sido o responsável pela eliminação surpresa de Vasco Ribeiro na ronda 3.

Os jovens estiveram em grande plano ao longo da prova, com Afonso Antunes, de 16 anos, a ter carimbado na Murtinheira a passagem às meias-finais, ele que está a regressar à competição depois de ter fraturado uma perna no início do ano. Filipe Jervis, que deixou pelo caminho o campeão nacional Miguel Blanco, e Tomás Fernandes, que também esteve sempre em nível alto, foram os outros surfistas a apurarem-se para a decisão da prova no Cabedelo.

Já na prova feminina também houve uma surfista júnior a intrometer-se entre as mais experientes na luta pelo triunfo final. Depois de uma manhã em que a campeã nacional Yolanda Hopkins conseguiu algum destaque, a ronda 3 aconteceu já ao início da tarde, em ondas bem desafiantes. Yolanda e Teresa Bonvalot foram as surfistas a qualificar-se no primeiro heat, enquanto no segundo, que foi vencido por Carolina Mendes, a jovem Kika Veselko conseguiu a sua vaga nas meias-finais, depois de deixar pelo caminho a campeã nacional de 2018 Camilla Kemp. 

Kika acabou por só cair frente a Teresa Bonvalot nas meias-finais, já no Cabedelo, após um heat com algum equilíbrio. Na outra meia-final Carol conseguiu vencer a campeã nacional após uma bateria muito renhida e decidida já perto da final. Yolanda falhou assim a primeira final em mais de um ano, depois de ter feito todas as finais da Liga MEO Surf em 2019, falhando a revalidação do título da etapa.

Carolina Mendes e Teresa Bonvalot encontraram-se assim pela quinta vez em finais da Liga. Com duas finais para cada lado, o Cabedelo desempatou a contenda, com o triunfo a cair para Teresa. A final foi decidida já nos instantes finais, com Teresa a conseguir virar a bateria com uma onda de 8,40 pontos, que a deixou com um score de 16,05 contra 12,85 da adversária.

Já do lado masculino as meias-finais trouxeram um triunfo de Filipe Jervis frente a Afonso Antunes, num heat em que ambos estavam a lutar pela primeira final da carreira na Liga MEO Surf. Jervis conseguiu mesmo esse feito, aos 29 anos, enquanto Afonso, apesar da derrota, conseguiu o melhor resultado da carreira no circuito. Na outra meia-final Frederico Morais superiorizou-se a Tomás Fernandes e avançou para a final.

Já com o sol a despedir-se após uma longa e memorável jornada no último dia do Allianz Figueira Pro, Kikas acabou por dominar por completo a grande final. Frederico tomou a dianteira do heat desde início, colocando um score de 17,15 pontos, contra apenas 10,20 de Jervis, que terminou em combinação.

Resultados finais do Allianz Figueira Pro:

Final masculina: Teresa Bonvalot, 16,05 x Carolina Mendes, 12,85

Final feminina: Frederico Morais, 17,15 x Filipe Jervis, 10,20

Figueira Best Surfer: Ivo Cação e Natacha Vieira

Somersby Onda do Outro Mundo: Tomás Fernandes, 9,00 pontos na 3.ª ronda

Renault Expression Session: Guilherme Ribeiro

Sumatra Surf Trip (Melhor Júnior): Afonso Antunes e Francisca Veselko

Bom Petisco Girls Score: Teresa Bonvalot, 16,05 pontos na final

O Renault Porto Pro também contou com as habituais iniciativas de sustentabilidade, através das limpezas de praia com a marca da Fundação Altice e as dinâmicas associadas à proteção da biodiversidade e promoção da alimentação saudável do Grupo Jerónimo Martins.

A Liga MEO Surf segue para a Ericeira. É ali que de 3 a 5 de Julho se vai disputar o Allianz Ericeira Pro, a segunda etapa do circuito e também a segunda de três provas a contar para a Allianz Triple Crown. Frederico e Teresa vão chegar à Ericeira na liderança dos dois rankings e com a licra amarela. Curiosamente, ambos já têm dois títulos nacionais e venceram pela última vez em 2015.

A nível televisivo, tendo presente a proibição de público nos termos legais, o Allianz Figueira Pro foi transmitido em direto na Sport TV, assim como nos restantes meios oficiais: facebook do MEO, na posição 810 da grelha de canais MEO, em ligameosurf.pt e redes sociais em @ansurfistas.

A Liga MEO Surf 2020 é uma organização da Associação Nacional de Surfistas e da Fire!, com o patrocínio do MEO, Allianz Seguros, Renault, Bom Petisco, Somersby, Banco Santander, Rip Curl, os parceiros de sustentabilidade Fundação Altice e Jerónimo Martins, o apoio local do Município da Figueira da Foz e o apoio técnico da Associação de Surf da Figueira da Foz e da Federação Portuguesa de Surf.

DL/ANS

PUB
Artigos relacionados:

Coloque as Farmácias de Serviço no seu site