Director: João Carlos Vieira
Quarta, 11 Dezembro 2019 - Periocidade diária
2019-09-19 09:27
Fred Gil e Francisca Jorge com estreia vitoriosa no campeonato nacional

Francisca Jorge e Fred Gil, os primeiros cabeças-de-série, estrearam-se com vitórias, no Campeonato Nacional Absoluto/Taça Guilherme Pinto Basto a decorrer, na Quinta Magnólia, no Funchal.

O dia já ia longo quando o relógio marcou as 18 horas, dando início ao encontro entre Fred Gil e Daniel Batista, o mais aguardado da jornada, que, entretanto, revelou-se, também, o mais bem disputado dos primeiros dias da prova rainha do ténis nacional.

Principal candidato à vitória neste torneio organizado pela Federação Portuguesa de Ténis e pela Associação de Ténis da Madeira, o finalista do Estoril Open de 2010 conseguiu superar os nervos iniciais e a coragem do adversário, que com um ténis variado e ofensivo lhe colocou muitas dificuldades.

Fred Gil, um antigo top-100 mundial, já vencia por 6-4 e 5-2 quando o jovem adversário — que tem uma capacidade elástica notável — lesionou-se com gravidade na coxa direita, ao tentar chegar a uma bola na passada do lado esquerdo do court.

O esgar de dor e o grito de Daniel Batista foram suficientemente elucidativos. Minutos depois, após o fisioterapeuta ter sido chamado ao court, confirmaram-se as suspeitas: infelizmente, a lesão contraída foi grave, criou-lhe muitas dificuldades de locomoção e levou os responsáveis do torneio a levarem-no ao hospital.

Foi a segunda vez que os jogadores estiveram frente a frente. Na primeira, no ITF (torneio internacional a contar para o ranking mundial) das Caldas da Rainha de 2018, foi o mais novo dos dois a levar a melhor, no seu percurso para a final, razão pela qual Gil confessou ter entrado ligeiramente nervoso. «Ele é sempre um adversário difícil e tinha-me ganho na única vez em que jogámos. Daí eu estar também com um bocadinho de receio, temos sempre uma dose de medo quando jogamos com alguém a quem ainda não conseguimos ganhar», admitiu a estrela do ténis nacional.

Já apurado para os quartos-de-final, o campeão nacional absoluto de 2004, 2006 e 2007 terá como próximo adversário Tiago Torres, uma das revelações deste torneio. Com apenas 17 anos, e por isso no primeiro ano de juniores, o jogador da LX Team somou a segunda vitória no torneio (6-0 e 6-3 a João Guerra) e é o mais novo entre os tenistas apurados para esta fase no quadro masculino. A separá-lo de mais uma vitória tem, para já, um grande sonho de criança: defrontar o ídolo Fred Gil.

«Quando ele estava a jogar o Estoril Open de 2010 deu uma sessão de autógrafos e eu estive lá e disse-lhe que daí a cinco anos iria ganhar-lhe. Passaram-se nove e agora vou finalmente jogar contra ele. É um sonho e espero que seja pelo menos uma boa batalha», desabafou já depois da vitória ao lado de Ana Filipa Santos, que os colocaram nas meias-finais do quadro de pares mistos. Na véspera já tinha inscrito o seu nome nos quartos-de-final de pares masculinos, com José Ricardo Nunes.

E por falar no algarvio, foi ele um dos outros dois vencedores da jornada desta quarta-feira. O jogador de 33 anos, que agora é, sobretudo, treinador no Centro de Ténis de Faro, passou com distinção (6-1 e 6-1) por Bernardo Branco Teixeira para marcar encontro com Francisco Cabral, o vice-campeão de 2015 e 2016 que “despachou” Afonso Portugal, por 6-2 e 6-0.

Se grande parte da jornada foi dedicada ao quadro masculino, a verdade é que o dia iniciou-se com dois encontros femininos. E esses duelos traduziram-se rapidamente em partidas de sentido único: Francisca Jorge superou Sara Neto por 6-1 e 6-0 e Maria Inês Fonte derrotou Mariana Enguiça por 6-0 e 6-0. Com estes triunfos, a vimaranense — bicampeã nacional absoluta — e a maiata — vice-campeã — vão reeditar a final da última edição, desta feita nas meias-finais de sexta-feira.

«Vai ser um encontro difícil e desafiador porque já nos conhecemos há muito tempo, muito antes de começarmos a treinar juntas no CAR [Centro de Alto Rendimento]. Respeitamo-nos muito uma à outra, somos muito amigas e mesmo agora, sabendo que vamos jogar, não deixamos de falar-nos e vamos continuar a fazê-lo antes do jogo, mesmo estando já mentalizadas de que lá dentro será cada uma para o seu lado a lutar pela vitória», sublinhou Francisca Jorge.

A vencedora do troféu nos últimos dois anos (sempre em terra batida: primeiro na Beloura Tennis Academy, em Sintra, e depois no Clube de Ténis do Porto) anteviu ainda que «vai sair vencedora aquela que conseguir controlar melhor as condições de jogo e as emoções» porque ambas produzem «um bom ténis». 

Apurada para a penúltima fase está também Ana Filipa Santos, que na segunda-feira venceu Inês Esteves e depois beneficiou da desistência de Inês Murta, ficando por isso a faltar apenas uma protagonista: ou Madalena Amil, ou Matilde Jorge, que disputam o encontro nesta quinta-feira.

DL/FPT

PUB
Artigos relacionados:

Coloque as Farmácias de Serviço no seu site