Director: João Carlos Vieira
Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
2016-04-20 11:59
Atletas de Oeiras cumprem objetivos na primeira prova da época 2016

Os atletas de Equitação Adaptada - Paradressage, da Academia Equestre João Cardiga (AEJC), de Oeiras, iniciaram a nova época desportiva em concurso de âmbito nacional realizado no Estoril.

Os atletas da AEJC conseguiram obter notas acima dos 55%, valor mínimo para se qualificarem para o Campeonato de Portugal de Equitação Adaptada/Paradressage, e deverão agora, efetuar mais duas provas, mantendo, ou subindo, as percentagens, para garantirem presença na competição mais importante do ano, o Campeonato Nacional, em Outubro.

O Cardiga Paradressage Team que, conta com o patrocínio dos Jogos Santa Casa, Bellator e Allianz-Companhia de Seguros, esteve representado com cinco, dos sete, atletas que compõem o grupo, sendo que a internacional Sara Duarte, esteve ausente nesta competição, por motivos de saúde.

José Neves com o Farol obteve 61,233% e 62,300%; Rita Lagartinho Oliveira com o Macarena, 59,567, no Grau 1 A; Inês Alemão Teixeira com Lycomede, no Grau II, pontuou 63,900% e 65,200%; Constança Claro com Nervo, no Grau IV, 63,633% e 64,333%; e Pedro Félix, com o Oposta de Foja, obteve no Grau III, 60,367% e 61,767%.

Segundo o coordenador geral do grupo, João Cardiga, o Paradressage Team tem como principais objetivos desportivos: Obter qualificação para o Campeonato de Portugal 2016, participar numa prova internacional com três ou quatro elementos, o número mínimo para constituir equipa, e manter o plano de uma representatividade em equipa, a nível europeu e mundial, com vista aos jogos paralímpicos de Tokyo 2020.

A direção da Academia Equestre João Cardiga criou mesmo o projeto “Cavalgar até Tokyo 2020” que tem como principal objetivo, garantir a participação de Portugal, em equipa, nesta competição.

O projeto visa, ainda alertar para o potencial da Equitação Adaptada/Paradressage e, também, para as dificuldades com que os atletas e os demais agentes envolvidos se debatem para desenvolver a modalidade, sobretudo no que diz respeito a encontrar cavalos adequados, aos diversos graus de capacidade destes Atletas, todos com deficiência física.
 
Na disciplina de Ensino, o Team Cardiga também manteve as expectativas. Rita Onofre, com Belmonte, na prova Complementar (C1), obteve 59,400. Beatriz Reto, que se estreou com a sua nova montada, uma égua que dá pelo nome de De Plaisir, pontuou 59,367%. Carolina Gonçalinho, com Bingo fez 59,967, na prova Média 1 (M1) e 58,033% na M2 e Beatriz Gonçalingo, com Dante obteve na M1 59,867% e na M2 61,800%.

Os atletas têm objetivos personalizados, de acordo com as idades e caraterísticas de cavalos e cavaleiros mas, em traços gerais, a principal meta é a aprendizagem constante e a motivação para chegar o mais longe possível.

PUB
Artigos relacionados:

Coloque as Farmácias de Serviço no seu site