Director: João Carlos Vieira
Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
2015-06-07 19:20
“Swim Challenge Cascais” bate recorde em número de atletas

A 4ª edição do evento “Swim Challenge Cascais” recebeu mais de 600 nadadores, de todas as idades, que encheram, na manhã de domingo, a Praia da Duquesa, em Cascais.

A 4ª edição do evento “Swim Challenge Cascais” recebeu mais de 600 nadadores, de todas as idades, que encheram, na manhã de domingo, a Praia da Duquesa, em Cascais.

No final do evento, que contou com o apoio da Câmara Municipal de Cacsais, Miguel Arrobas, diretor municipal para o desporto, mas também ex-nadador olímpico e ultramaratonista de águas abertas, definiu bem o que foi o evento, que mais uma vez bateu o recorde de participação, com mais 30 por cento de nadadores do que na edição passada.“Ver esta praia tão cheia, tão entusiasta, é formidável”, afirmou Arrobas, que também nadou a Milha Oficial.

“Temos apostado nas águas abertas, mas também no surf, na vela, temos condições naturais excelentes para a prática destas modalidades. Esta prova tem atraído cada vez mais estrangeiros, até já tivemos um chinês na edição deste ano. A sua inclusão no Circuito Mundial WOWSS também foi fundamental, pois vai espalhar o nome de Cascais além-fronteiras e atrair ainda mais turistas ao concelho”, comentou Miguel Arrobas sobre a importância cada vez maior do Swim Challenge Cascais não só a nível desportivo, mas também na economia local e do país.

Vasco Gaspar, da Sociedade Filarmónica União Artística Piedense, e Maria Dias, do Scalabiswim, foram os vencedores da prova de elite, a Milha Oficial, na distância de 1.852 metros, mas outras figuras conhecidas da natação e do triatlo nacionais também se destacaram em Cascais.

O ex-nadador olímpico, agora triatleta do Benfica, Nuno Laurentino, venceu a Milh Open, para atletas não federados em natação, em masculinos, e a triatleta do Sporting, Katarina Larsson – campeã europeia de triatlo na distância olímpica no Grupo de Idade (AG) 30-34 – triunfou em femininos.

“Era para ter ido competir a uma prova no estrangeiro, mas não hesitei em vir aqui, até porque gosto de competir em Portugal e apoiar estas iniciativas de apoio ao meio ambiente e aos oceanos. É uma coisa que me diz bastante”, comentou Vasco Gaspar, que também fez uma perninha na Milha Open, aliás, foi lebre de Nuno Laurentino, terminando em primeiro, mas já não contando para a classificação oficial.

“A modalidade é super fácil, qualquer pessoa, com um fato isotérmico, consegue vir nada uma prova de 1000 ou 1500 metros. Temos condições óptimas de mar e também de organização. É excelente para quem gosta de estar em contacto com a natureza. Ao nível de elite, é uma modalidade a crescer, mas é dura, psicologicamente é difícil”, acrescentou Vasco Gaspar.

Vasco Gaspar, de resto, está concentrado para o Mundial de Natação em Águas Abertas, em julho, na Rússia, onde vai tentar o apuramento para os Jogos Olímpicos do próximo ano, no Brasil. Portugal já teve um português com as cores nacionais em duas Olimpíadas nesta modalidade. Foi Arseniy Lavrentyev, agora treinador, que também competiu este domingo em Cascais e foi 2º classificado na Milha Oficial.

“Água fresquinha, prova fantástica, organização fantástica, ambiente perfeito, e ainda por cima à porta de casa”, assim definiu Arseniy Lavrentyev o 4º Swim Challenge Cascais – Swim for the Ocean, prova onde há um ano deu por encerrada a sua carreira como nadador de elite, representando as cores do Sport Algés e Dafundo, emblemático clube do concelho de Oeiras.

Nuno Laurentino e Katarina Larsson fizeram, conforme disseram no final da prova, um excelente treino para o Cascais Long Distance Triathlon, que vai ter a sua estreia a 27 de setembro, com o segmento de natação a ser disputado nesta mesma Praia da Duquesa, onde este domingo decorreu o 4º Swim Challenge Cascais – Swim for the Ocean.

“Gostei imenso da prova, foi um bom treino para o triatlo, com a Milha Open a ter a saída da água à passagem para a segunda volta. A água estava limpinha, foi espetacular”, comentou Katarina Larsson, que ao contrário d maioria dos atletas – talvez pela sua origem sueca – não se queixou da água fria. “Estava quentinha”, disse.

Nuno Laurentino destacou o potencial de Portugal para a massificação da natação em águas abertas. ”Temos condições naturais para massificar a modalidade, o facto de termos uma prova no circuito mundial de águas abertas é muito interessante, a federação de natação também se deve envolver e aproveitar estas provas para fazer crescer esta vertente em Portugal”, comentou o ex-nadador olímpico.

Maria Dias, nadadora de piscina e águas abertas, do Scalabiswim, clube de Santarém, foi a esta prova já com a vitória no pensamento: “Vinha com esse objetivo. Foi difícil, pois a água estava fria, mesmo nadando de fato, mas correu bem. Foi a primeira vez que vim aqui e achei a prova bem organizada, além de ser um sítio ótimo para nadar”, comentou a vencedora da Milha Oficial.

As provas 200 e 400 metros KIDS foram um sucesso, bem como a Ocean Parade, caminhada entre a Praia do Tamariz, no Estoril, e a Praia da Duquesa, em Cascais, que contou com banda de música e serviu para assinalar o Dia Mundial dos Oceanos, que se celebra esta segunda-feira dia 8 de junho.

A Ocean Parade, bem como a 4ª edição do Swim Challenge Cascais – Swim for the Ocean, foi organizada em parceria com a Ocean Recovery Alliance, organização internacional sem fins lucrativos que trabalha para encontrar soluções para o drama da poluição nos oceanos.

Doug Woodring, fundador da Ocean Recovery Alliance, esteve em Portugal e colocou toda a gente de banana na mão e a Sorrir pelo Oceano, iniciativa de angariação de donativos, em que bastava um sorriso, um selfie e uma partilha nas redes sociais para estar a contribuir.

“Estou a adorar tudo. Que paisagem! Acho que este vai ser o grande acontecimento mundial de águas abertas dentro de poucos anos. Vai crescer, crescer e crescer e, com isso, ajudar-nos na luta contra o lixo no Oceano”, comentou Doug Woodring, lembrando que o Swim Challenge Cascais faz parte de um evento maior, a Semana Azul, que incluiu o Plasticity Forum, o Economist World Ocean Summit, o Ocean in Motion Film Festival Portugal e várias manifestações artísticas no concelho.

Jorge Paulo Pereira, Diretor do Swim Challenge Cascais, fez na reta final do evento duas homenagens especiais: à Associação Humanitária de Bombeiros dos Estoris, que esteve na base da criação deste evento e continua a ser essencial na sua organização, e à Ocean Recovery Alliance, através do seu fundador e presidente Doug Woodring.

O 4º Swim Challenge Cascais – Swim for the Ocean contou com os apoios da Câmara Municipal de Cascais, do Turismo de Portugal e da World Open Water Swimming Series (WOWSS), além das seguintes parcerias: Rádio Comercial (rádio oficial), CP - Comboios de Portugal, Adecco Portugal, O Século, Vila Galé Hotéis, Grupo Lindley, Plasticity Forum, Ocean in Motion Film Festival, Duche-Bar e In Events.

PUB
Artigos relacionados:

Coloque as Farmácias de Serviço no seu site